Páginas

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Frágeis pensamentos sobre a verdade

Extraído de Ricardo Gondim

O pensamento precisa de espaço para pensar. Para cogitar, faz bem desembaraçar-se de censuras. Transpor valados não significa cortejar desastre. Existe vida além do horizonte. Lá, onde vivem os delinquentes também há amor. Aliás, cria melhor quem ousa visitar a trincheira dos hereges.
Quem pensa não inventa a verdade; a verdade constrói o pensador. Newton não imaginou a lei da gravidade, foi a gravidade que transformou os seus olhos. Depois que uma maçã despencou, Newton perguntou: Por que ela cai e não flutua? Dessa pergunta a humanidade descobriu a verdade que os corpos se atraem na razão direta das massas e inversamente ao quadrado da distância que os separa. A verdade já existia, mas precisava de uma mente pronta para acolhê-la.
Além da verdade empírica permanecem a estética, a mística e a ética.
Michelângelo sentiu a dor de Maria e foi capaz de expressá-la em um bloco de mármore, a Pietá; Picasso horrorizou-se com a guerra e Guernica se eternizou. Beethoven, Bach, Mozart e outros virtuoses ouviram melodias, escreveram partituras, e as orquestras passaram a encantar o mundo.
São João da Cruz, Mestre Eckhart, Teresa de Ávila e muitos místicos intuiram verdades que os Catecismos, as Confissões de Fé e as Dogmáticas não abarcaram. Repetiram que a verdade descansa no mistério, no absurdo, onde a razão não chega.
Ghandi, Martin Luther King, Madre Teresa de Calcutá, Jimmy Carter encarnaram a máxima cristã de que a vida eterna pertence a quem se curva para ajudar o caído. Os juízes e os magistrados são profetas que pelejam pelo que é justo e correto.
A verdade, porém, é maior que a capacidade humana de concebê-la. O saber de todas as bibliotecas mal arranha a superfície da complexa mecânica do universo. A beleza de todos os museus guarda meros fragmentos da criatividade do coração de homens e de mulheres. A percepção de todos os santos é incapaz de discernir o imponderável do mundo espiritual. Toda a bondade já encarnada não exaure a nobreza que ainda pode ser vivenciada no mundo.
A verdade depende da graça para não correr o perigo de ser instrumento de morte; carece de conectar-se com a vida para não ficar confinada a uma torre de marfim; precisa ser humilde para não gerar arrogância.
Toda a verdade pertence a Deus.
Soli Deo Gloria.

2 comentários:

bete disse...

Fazia tempo que eu não lia o Ricardo, gosto dele.

O primeiro sujeito que afirmou ser a terra redonda estava questionando o salmo l9. Na grande maioria das vezes, encarar a verdade é um desafio, há que se ter coragem para enfrentá-la, e às consequências desse enfrentamento.

nanieateologia disse...

Roger,
Mais um presente para você!!!!
http://nanieateologia.blogspot.com/2009/05/selo-grandes-pensadores-da-blogosfera.html
Beijão e fica com Deus!