Páginas

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

O quesito maior

A originalidade é o quesito maior. Avalie o que você queira. O que não passar pelo crivo da criatividade deve ser imediatamente reprovado.
“Servo inútil, fizeste somente o que lhe ordenei”.
Nada mais... Apenas repetiu. Copiou. Não foi além do esquema predeterminado. Não usou da liberdade de se criar e desdobrar.
Não existe coisa mais irritante que ver um líder de destaque ser imitado em detalhes e trejeitos por seus seguidores cegos. Blogs, textos, palavras: repetidas. Não é atoa o choro do poeta, meras repetições.
Dizer-se inútil não é sinal de humildade, mas de incompetência.
Depois de fazer tudo o que lhe foi ordenado, não lhe sobrará mais tempo para fazer aquilo que não lhe foi ordenado. Inútil.
Sirva com originalidade, enxergue além das ordens, do esquema, da letra.
Seja original!

4 comentários:

Rubinho Osório disse...

Escrevi algo para postar no Domingo. Em seguida, vim para cá e me surpreendo com este texto, com o mesmo tema. E pensar que estamos a oceanos de distância!!!

Lou Mello disse...

Ser original... hummm... só se for em nunca contrariar ninguém. Ah, vai me enganar que você nunca contrariou ninguém? Humm... sabe que você está com a razão.

Rondinelly disse...

Pois é, chegar um dia em que eu olhe pra mim e veja somente as fotocópias... será terrível não ter sido um indivíduo. Mas, parece que a gente faz a originalidade da gente com os pedaços de outras pessoas e de outras coisas...

Roger disse...

Nisso, Rondinelly, tenho que concordar contigo. Mas até para copiar temos que ser originais: de quem, como e o que deve ser copiado.