Páginas

terça-feira, 23 de março de 2010

Quem não é "de esquerda", é o quê?

k0086051[1] Essa é uma análise do texto da doutora Norma Braga publicado na revista Ultimato intitulado: Por que não sou de esquerda.

Tratei no post de ontem de meus questionamentos e conclusões sobre a Ultimato publicar aquele texto; e queria parar por aí, não fosse um amigo catalisar aquilo que eu vinha evitando e praticamente me empurrar para esse respeitoso pseudo debate de idéias (debate sempre serão de pessoas, de egos e nunca de idéias, idéias são neutras e não se debatem).

Há várias maneiras de se entrar em um assunto, entro nesse pelas portas que nosso leitor* desavisada e despretensiosamente abriu:

Taí, abaixo, meu comentário sobre o texto da Norma:
Quem não é "de esquerda", é o quê? […]
Estas são apenas algumas das dúvidas que o texto me provocou.

A sabedoria popular responderia sua questão, amigo, de forma simples e no atacado: quem não é de esquerda é maior de trinta anos, ou não tem cabeça. Afinal ele, o ditado diz:

Quem não é de esquerda antes dos trinta não tem coração, quem é de esquerda depois dos trinta não tem cérebro.

Assim todas essas linhas vermelhas poderiam ter sido poupadas, se a autora se limitasse a responder que tem mais de trinta anos e logo tudo estaria entendido. Mas as mulheres e suas vaidades…

Diante do problema do mal, experimentamos a urgência de uma solução. Para quem crê, Jesus satisfez essa urgência: inocente, sacrificou-se por nós. Assim, o cristão fiel declara com tranquilidade que o mal está em si, confiando em Cristo para a redenção. Porém, para quem não crê, o problema do mal resta irresolvido e a solução será sempre externa. Este é o “mecanismo do bode expiatório”, segundo René Girard: fazer com que alguém encarne o mal e eliminá-lo, gerando sacrifícios sem fim (enquanto a Bíblia enfatiza: o sacrifício de Jesus é eterno).

Parece que Norma não entendeu tão bem Girard como Brabo queria crer. O "mecanismo de bode expiatório" tem sua explanação não em Girard mas na própria Bíblia, tanto no seu aspecto literal como em casos como o de Acã e tantos outros.

O problema não é localizar o mal ou a solução fora ou dentro de si, ambos estão tanto dentro como fora! (Puro sofisma para tentar opor "esquerda" contra Jesus, na solução de problemas ou males sociais).

Isso se verifica facilmente entre nós, ocidentais, quando lembramos os assassinatos em massa do século 20. Judeus, ciganos, cristãos dissidentes e povos não-alemães foram os bodes expiatórios da Alemanha hitlerista: quarenta milhões de mortos. Da mesma forma, nos países comunistas o vago conceito de “classe dominante” tem justificado a condenação à morte de mais de cem milhões. Trata-se um ciclo diabólico, pois não há sacrifícios que cheguem para a sanha dos que pensam combater o mal dessa maneira. Assim, a violência aumenta na mesma proporção do secularismo.

Como alguém já notou sobre esses falsos diálogos da net: Não basta opinar, é preciso comparar a Hitler. Essa tática é simples e eficaz, mas estúpida. E infelizmente cansa e ofende nós alemães. Por que não tomar como exemplo o extermínio da candelária? Que não é menos expiatório – ok, isso ofenderia nós brasileiros… Será que viverei para ver alguém usar a Bomba Atômica de Hiroshima como exemplo de maldade máximo (242,437 vítimas)? Ou será que aquilo ali foi aceitável para a humanidade, menos violento e menos secular?

A equiparação entre comunismo e nazismo não é novidade….

De fato não há novidade. Boring… langweilig… aí segue uma lógica que pode e deve ser aplicada a ditaduras e não a sistemas econômicos. Bastas trocarmos alguns nomes e tudo fica tão parecido:

No entanto, de certo modo o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (que é de extrema direita) era melhor nisso: mentia menos. Seus membros não escondiam o desejo de conquistar o mundo; já o socialismo (capitalismo) oculta seu projeto de poder total sob a compaixão pelos pobres (direito à liberdade e democracia vide Taiti, Iraque, Coréia, Vietnã e tantos outros) e a promessa de um futuro glorioso. [..] Na Rússia (no Paraguai de Stroessner), na China (no Chile de Pinochet) e no Camboja (nas ex-Colônias asiáticas da Inglaterra) a arbitrariedade apenas mudou de mãos, tornando-se voraz como nunca; em Cuba (no Sri Lanca), uma favela carioca pareceria condomínio de luxo (exemplo triste, o que mostra que autora vive afastada das favelas, ou está de acordo com Lula que pensa ter havido melhorias) na parte não-turística da ilha; na Venezuela, Chávez diz “eu sou o povo” para justificar a progressiva supressão da democracia. (nesse caso prefiro não procurar um exemplo do mundo capitalista para simplesmente "me calar" concordando com a Norma).

Hoje não há cristãos nazistas (espero!) (se é que um dia houve, pode crer que ainda há), mas há uma miríade de cristãos socialistas ou comunistas. É algo difícil de compreender. Em primeiro lugar, por que um seguidor de Jesus aderiria a um arremedo de plano da redenção? Para confessar esse endosso, precisaria necessariamente subverter todo o pensamento bíblico, substituindo a criação divina pela matéria autônoma, o pecado original pela propriedade privada, a salvação em Cristo pela revolução socialista. Se não o fez, é porque ainda oscila entre os dois mundos, sem perceber que são díspares -- a cultura marxista mimetizando a cristã.

Remedo o leitor: O cristão não pode optar pelo socialismo, mas pode optar pelo capitalismo?
Comunismo e socialismo são idênticos?

Em segundo lugar, por que um cristão se posicionaria a favor de um Estado forte que pune seus dissidentes? O processo de centralização do poder empurra a igreja ou para o servilismo ou para a clandestinidade onde quer que o socialismo seja implementado. De fato, Hannah Arendt estudou o totalitarismo e concluiu que o isolamento torna o ser humano muito mais vulnerável ao controle estatal. Por isso, esse regime ataca prioritariamente as livres associações (a família, a igreja, a escola, o comércio), buscando atomizar a sociedade no melhor estilo romano “dividir para conquistar”.

Leia: 500 bebês roubados por militares argentinos entre 1976 e 1983.

Novamente as perguntas do amigo:

Quem define as esferas cuja soberania o Estado não pode ferir? Quem define a esfera do Estado? As outras esferas podem "ferir" a soberania do Estado?
Cristão, socialista, comunista, nazista. São estas as opções? Capitalista, democrata, liberal não são opções?

Ser socialista e cristão é tomar o partido de César, não de Cristo. Sobretudo, ser socialista e cristão no Brasil de hoje é assumir uma postura perigosíssima para a igreja. De várias maneiras, o governo atual, honrando suas influências teóricas e suas alianças internacionais, busca cada vez mais controle sobre a sociedade. (em que mundo essa menina vive? Qual governo não busca o controle da sociedade? E quais Lobs (banqueiros, fazendeiros, evangélicos, bélicos, industriais) não buscam o controle sobre o governo?) É quando precisamos recorrer aos ensinamentos de Calvino e Kuyper: por causa do pecado, Deus instituiu os magistrados para punir os maus e garantir a ordem; (haa! Então o governo tá lá pra isso, punir OS MAUS (os bodes expiatórios), como os nazistas fizeram, os americanos com a bomba de Hiroshima… tô começando a entender! Pera lá, mas não foi isso que ela ataca no começo do texto??) porém, o Estado “jamais” pode ferir a soberania das esferas individuais, familiares e corporativas, pois a autoridade de cada esfera descende igualmente de Deus. (indivíduos, famílias e corporações são intocáveis humm, então o governo dever gerir animais e plantas, desde que esses não constituam família, nem estejam sob o domínio de alguma corporação e, claro, não sejam caracterizados como indivíduos. "Fantástica" essa lógica! Será que vem mesmo de Calvino e Kuyper?)

…se substituirmos a cosmovisão esquerdista por uma genuína cosmovisão cristã. Que Deus ajude a igreja brasileira nessa empreitada. (Nossa, a coisa tá mesmo feia no Brasil, a cosmovisão esquerdista, então, é então o mal a ser banido, pobre Jesus, morreu em vão, ou melhor, para livrar a igreja dessa praga: a esquerda).

Uma pergunta que eu também tenho: A negação da cosmovisão esquerdista redunda necessariamente em cosmovisão cristã? E vice-versa?

Será que a estratégia da Ultimato com a Norma foi a mesma da Cristianismo hoje, em publicar a entrevista com Severo, deixando-os assim, por si só, caírem no ridículo?

*(todas as citações de meu amigo internauta foram tecnicamente não solicitadas e tecnicamente não autorizadas para constrangimento dele, que evidentemente preferiria se abster dessas minhas vãs (ou vis) polêmicas).

13 comentários:

Andrea disse...

"Será que a estratégia da Ultimato com a Norma foi a mesma da Cristianismo hoje, em publicar a entrevista com Severo, deixando-os assim por si só cairem no ridículo?"

BINGO!

Rubinho Osório disse...

Faço uso do meu direito de me abster... já falei demais.

Roger disse...

Direito concedido.
Parcialmente. Se eu retirar suas contribuições o texto perde a graça. Enfim, contei o milagre e ocultei o santo.
Isso me fez lembrar uma vez que o Alyson entrou em nosso Blog e detonou, com direito, um texto que eu publicara citando algumas opiniões que ele me passou no MSN(ele tinha a senha de nosso Blog coletivo), não sei se fiquei mas puto com ele ou comigo pela mancada. rs!

Drica disse...

Pra começar sou socialista e já passei dos trinta. Pra piorar bebi vinho com meu marido no jantar. Bom, cada dia entendo menos os cristãos mas isso é ótimo, prefiro tentar entender o Cristo.

Tuco Egg disse...

Os "exemplos no mundo capitalista ficaram ótimos".

Paulo Fagundes Santos disse...

Olá!
Concordo com alguns pontos dela, não sou teólogo, nem historiador, nem filosofo, mas acho que há no nosso pais um Marxismo velado.

Sugiro que escute este áudio sem pré-conceitos http://www.padrepauloricardo.org/site/?p=210

Humberto Ramos disse...

Sim, meu amigo Roger, ela tem mais de trinta, e ainda podemos verificar que sua "cabecinha" ainda está vivendo o período da guerra fria... rsrs

Onde temos esquerda hoje, me digam? Onde? Ah, balela... A China está se abrindo, Cuba vai se abrir, os problemas continuarão acontecendo. Enquanto houver pecado, todo e qualquer sistema terá suas falhas e brechas mal tapadas.

O Obama está fazendo reforma no sistema de saúdo dos EUA. Foi chamado de socialista. Imagine por quem? Os amiguinhos da Norma, que preferem saber que milhões de americanos não podem ter um plano de saúde e preferem isso a ver o Estado assumindo seu papel no contrato social (Vide Rousseau). Concede-se poder de serviço a representantes políticos, e estes devem fazer de tudo para atender às demandas daqueles que lhes conferiram tal poder.

Gente como a Norma acaba enchergando coisas mirabolantes em tudo, pelo em ovo, chifre na cabeça de cavalo, e demônios em todo lugar...

CAnsei, vou dormir agora rsrsr

Fabinho Silva disse...

Roger, grata surpresa conhecer esse seu blog de pensadores no Pavablog! Agora vou ficar ligado nele direto! valeu :)

Juber Donizete Gonçalves disse...

Roger,

Sinceramente que eu também não entendi a Ultimato e a Cristinismo Hoje, colocarem artigos da Norma e do Severo respectivamente.

Abraço.

Anderson disse...

Deixem a Ultimato e a Cristianismo Hoje publicarem os artigos que quiserem. Não é preciso uma pretensão senão a de publicar, ora. Eu só queria um artigo "Por que não sou de direita" na próxima edição. Afinal, a gente adora os extremos!

Rubinho Osório disse...

Não resisti! O Anderson falar que "adoramos extremos" me lembrou da frase "sou radicalmente de centro" que ouvi sei lá onde...
Será que não há como ser equilibrado nestas questões?!? Já sei, equilibrar-se dá um trabalho danado; melhor ser extremista... adoramos extremos por pura preguiça!!!

MCM(Movimento Contra a Miséria) disse...

Para esses crentes que nem de política sabem, pois só enxergam Deus no céu, lá vai este blog para escandaliza-los (textos cedidos pela maioria dos autores)

www.naoamiseria.blogspot.com

Abraçossss

Escobar.

Carlos Gentil Vasconcelos disse...

Nem a esquerda capitalista, nem a direita facista.... PV na mente dos crentes....Marina neles