Páginas

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

O bom perfume

No seu livro Guilt and Grace [Culpa e Graça], o médico suíço Paul Tournier, um homem de profunda fé pessoal, admite: "Não consigo estudar com você este sério problema da culpa sem levantar o fato óbvio e trágico de que a religião — a minha própria como também a de todos os crentes — pode esmagar em vez de libertar".

Tournier fala de pacientes que o procuraram: um homem abrigando culpa por causa de um antigo pecado, uma mulher que não podia esquecer de um aborto que fizera há dez anos. O que os pacientes realmente buscam, diz Tournier, é graça. Mas, em algumas igrejas encontram a vergonha, a ameaça do castigo e um sentimento de julgamento. Resumindo, quando procuram graça na igreja, com freqüência encontram não-graça.

Uma mulher divorciada contou-me que estava no santuário de sua igreja com sua filha de 15 anos de idade quando a esposa do pastor se aproximou. "Ouvi dizer que você e seu marido estão se divorciando. O que eu não consigo entender é, se vocês amam Jesus, por que estão fazendo isso?" A esposa do pastor nunca havia conversado com a minha amiga antes, e sua dura repreensão na presença da filha deixou-a perplexa. "A dor estava no fato de que eu e meu marido amávamos Jesus de coração, mas o casamento havia-se quebrado além do conserto. Se ela apenas tivesse me abraçado e dito: 'Eu sinto muito...'."

Mark Twain costumava falar de pessoas que eram "boas no pior sentido da palavra", uma frase que, para muitos, capta a reputação dos cristãos de hoje. Recentemente, estive fazendo uma pergunta a pessoas desconhecidas — pessoas sentadas ao meu lado no avião, por exemplo — quando buscava dar início a uma conversa. "Quando eu digo as palavras 'cristão evangélico', no que você pensa?" Em resposta, ouço principalmente suas descrições políticas: ativistas barulhentos a favor da vida, ou oponentes aos direitos dos homossexuais, ou proponentes para censurar a Internet. Ouço referências à Maioria Moral, uma organização desbaratada anos atrás. Nenhuma vez — uma única vez sequer— ouvi uma descrição com fragrância de graça. Aparentemente, esse não é o aroma que os cristãos distribuem pelo mundo.

Philip Yancey em Maravilhosa Graça

Um comentário:

Felipe disse...

Poucos de nós paramos para ouvir o que as outras pessoas - as não-cristãs - pensam de nós. Yancey o fez e constatou o mau cheiro que nós não sentimos, mas que as outras pessoas sentem. Geralmente, o pensamento vigente é de que o olfato alheio está corrompido, e assim não pode perceber o nosso odor que, acreditamos, é perfume do mais elevado grau.