sexta-feira, 20 de maio de 2011

Caio Fábio - O fim de alguém que já foi alguém (pra mim)

“Lembro-me com nostalgia e em alguns casos, com lágrimas, de um tempo não muito remoto em que o Caio Fábio movia auditórios com raciocínios claros e profundos.” Ricardo Gondim

No Brasil, provavelmente ninguém trabalhou mais para divulgar esta singela revolução do que o sempre incandescente reverendo Caio Fábio. Um de seus livros mais populares escrito em 2002 mas que recupera idéias de obras anteriores, chama-se precisamente Sem barganhas com Deus. O evangelho, explica Caio Fábio, existe para denunciar e reverter aTeologia Moral de Causa e Efeito, que permanece sendo, em última análise, a teologia da igreja cristã – “uma quase-graça que, não sendo totalmente-graça, é des-graça”. Paulo Brabo

É dificílimo colocar em poucas linhas todo o sentimento de indignação que Caio Fábio evoca por sua postura covarde e primitiva. Mas vou tentar, sabendo desde já que, fracassarei.

O primeiro obstáculo, admitamos, é que esta mesma postura covarde e infantilizada já me agradou e serviu em muito para nossa diversão quando seus “inimigos”, alvejados pela sua verborragia eram os mesmos que os nossos. Assim me deliciei ao vê-lo chamando de Frouxo Júlio Severo, ou descendo a marreta no Malafaia ou no pessoal da Renascer. Isso sem falar nas memoráveis aparições no Fantástico na década de 90 para explicar, em nome da comunidade evangélica, que Edir Macedo não era evangélico.

Pois bem, de repente sua artilharia voltou-se contra Gondim. Há muito que ser dito sobre o porque dessa escolha, mas não quero me adiantar.

Descobri o ícone dos Evangélicos brasileiros tardiamente. Aliás, a primeira vez que alguém sugeriu-me haver um HOMEM DE DEUS (um ícone), chamado Caio, eu logo me antipatizei com a coisa. Foi um simples convite para assistir um vídeo em uma reunião de jovens.

Mas não demorou muito, na época da Universidade, que a figura de alguém que “com raciocínios claros e profundos” me cativou. Nem tanto pela suposta clareza, mas pela profundidade. Ele foi uma peça importante para minha auto-afirmação no ambiente “ostil” universitário, como evangélico. Foi na época quando as revistas de Caio começaram a circular nas bancas e ele tinha um progama na TV. Além disso ele apresentou o projeto de caridade “Fábrica da Esperança”, além de conseguir aparecer ao lado de Betinho, o famoso “Irmão de Henfil”, em uma marcha para Paz.

A única pessoa, naquela época, que sugeriu-me ser Caio Fábio nenhuma flor que se cheire foi meu pai. Católico, foi presenteado com um vídeo do Caio. “Logo desse camarada. Não gosto dele. Por que você não me deu então, pelo menos, algo do Fanini”. Estranhei sua atitude.

Esse fascínio, de então, é o que causa agora a segunda dificuldade de se poder por um fim definitivo no sujeito. É bem verdade que a coisa toda já foi por água a baixo faz tempo. Mas sempre houve um fio de esperança.

Nunca engoli o “Reverendo’ novamente em seus programinhas da Web (Youtube), sempre com um ou dois serviçais a tira colo, que não servem para nada, a não ser dizerem “sim Caio, sim Caio”, e serem interrompidos quando começam a dizer algo por si mesmo.

Pois bem, senhoras e senhores, num desses programas que eu coloco a cima, podemos ver aquilo que, pra mim, é o fim da picada. (O cara é muito otário - me perdoem o desabafo). Faço uma pequena pausa e repito aqui alguns comentários de um último post meu sobre o assunto:

“Quanto a Caio, independente de verdade ditas ou não, sua teologia deveria tê-lo ensinado auto-controle e respeito. Não darei um view sequer em seu vídeo. É assim que se trata uma criança mal criada.” Thiago Meirelles

“Desta vez, o Caio Fábio conseguiu até ser elogiado pelos hipócritas da ala que sempre fala mal dele. Esse tipo de coisa, é uma das mais nojentas que ocorrem no meio evangélico: a pessoa não presta e eu passo a vida criticando-a, até que ela ataque alguém que eu também estou atacando. Aí sou capaz, no auge da hipocrisia, de parabenizar alguém que, na verdade, desprezo a maior parte do tempo, e também me despreza. Vergonha.” Andrea

É curioso que Caio Fábio quando descreve seu alvo da vez (geralmente pessoas) ele revela sempre os mesmos traços em todas elas. Aventureiros, aprendizes, moleques que sempre desejaram segui-lo por veneração ou até mesmo inveja,etc. Que como bom mestre, sempre acolheu a todos como filhos na fé. Ensinou a eles tudo o que sabem, deixava-os carregar sua bíblia... Em seguida mostra-nos todos como verdadeiros "judas", que o traíram e o entregaram para o sacrifício. "Complexo de messias mal ressucitado". Cegam-se as luzes dos holofotes. Todos estes sem exceção ao abrirem a porta de suas geladeira de madrugada, já vão logo emitindo suas teologias achando que já estão filmando. Quanto aos adjetivos por ele usados ao se referir ao Gondim, o Caio deve ter se convertido a tal da "preferencia nacional".. Diógenes

Não consigo deixar de comentar que Caio começa usando a figura de Jimmy Swaggart para criticar a suposta antiga postura pentecostal de Gondim. Meu Deus, será que o cara não tem espelho em casa? Por que ele não usa o Jimmy para criticar sua própria postura? Ninguém melhor do que ele mesmo protagonizou um escândalo sexual de teleevangelista no melhor estilo americano, no estilo Swaggart.

Não duvido que qualquer líder esteja sujeito a tais escândalos. Creio que todo líder tem o direito e o dever de poder recomeçar (sob certas condições). Caio não preencheu nenhuma delas.

Também não posso deixar de comentar sua necessidade em explicar que não tem tempo para estar na internet, twittar e etc… Hipócrita, mas não cansa de fornecer material para ela, como se as outras pessoas como eu e outros criticados por ele estivéssemos aqui por que temos tempo de sobra.

Para fechar, gosto de lembrar uma entrevista (que infelizmente foi tirada da Net) de um dos papas do movimento evangélico brasileiro, o Russel Shedd. Ele ali afirmava que ninguém poderia negar que Caio Fábio tinha sido “o cara” a cara da igreja brasileira. E logo em seguida cita Gondim e uns outros dois ou três como o prováveis sucessores de Caio nesse papel.

Claro que essa sucessão mexeu com os brios do Amazonense. Por zelo teológico que não foi sua abundância em chamar o outro de bundão tantas vezes assim em tão poucos minutos.

É uma postura muito covarde e primitiva (usada contra meus “inimigos” é válida), mas assim, gratuitamente, por inveja, rancor, ou seja lá o que for, contra alguém que respeitamos, não merece mais que um post de adeus e até nunca mais.

8 comentários:

Andrea disse...

Ontem mesmo, postei partes de um texto do Caio, sobre essa teologia moral de causa e efeito. Retenho o que é bom de todos os que leio, o que não me impede de concordar com você, com relação à forma pela qual ele se refere ao Ricardo Gondim, e a outros. Porque ao se expressar desta forma, na minha humilde opinião, ele mesmo é o único prejudicado. Para quem ouve, fica parecendo apenas dor de cotovelo da parte dele. Não considero que o Caio esteja acima de críticas, nem ele nem nenhum outro. São todos humanos e passíveis de errar, e colocar qualquer pessoa que seja num pedestal imune a críticas, não passa de idolatria.

Danilo Marcondes disse...

Perfeito! Não tiro e nem acrescento nada ao seu texto. Parabéns.

A Tua palavra é A Verdade ! disse...

ÓTIMO texto, parabéns.

Não há um justo, nenhum sequer, porque todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus. Rom 3:10 e 23.

Felipe disse...

Roger, creio que tu sintetisaste aquilo que muitos de nós pensamos sobre o ex-papa evangélico - e agora antipapa urderground - Caio Fabio. Assino em baixo de cada letra que tu escreveste!

Professor Augusto disse...

é, o pai sabe das coisas! hehehe Beijos

Anônimo disse...

Bem, para mim é muito difícil ter que concordar com o texto, já que o Caio Fábio me ajudou bastante em minha peregrinação espiritual. Parte do que sou como cristão e parte do que penso sobre a igreja evangélica, bem como da minha nova perspectiva sobre Deus são oriundas de suas reflexões. Todavia, de um tempo para cá, tenho percebido que para o Caio ninguém é convertido, salvo ele, a sua família e os seus seguidores. Ademais, penso que é extremamente deselegante para um sofisticado pensador como ele ficar chamando todo mundo que diverge de suas opiniões e teologias de "bundão". Roger, assim como você, eu via o reverendo como um enorme referencial e imune de criticas, porém aos poucos fui percebendo que ele também possui os "pés de barro" Notei que o Caio vê muito pouca beleza nas pessoas e qualquer "cisco" que ele enxergue na visão diferente da dele é motivo para soltar todas as suas flechas agudas. O Caio não é o tipo de pessoa que mata com a espada, mas sim com palavra. Lamentei profundamente o que ele disse do Gondim, principalmente por colocar em público aspectos íntimos de sua vida. Por mais que ele discordasse de sua "teologia relacional", ele jamais poderia faltar lhe com o devido respeito. Como já disse, é difícil ter que concordar com o seu texto. Além disso, ter que expor as minhas criticas a alguém que tanto me ajudou. Mas faço isso, contudo, na esperança e no profundo desejo que o Caio encarne em sua vida o que ele tanto ensina sobre a simplicidade do evangelho. Confesso que ainda continuarei a ouvi-lo, porém de maneira reduzida e com o meu senso critico sensivel quando ele deixar “os seus raciocínios claros e profundos” de lado para dar lugar as suas magoas e rancores.

Anônimo disse...

O QUE VOCES NAO SABIA E QUE O CAIO FABIO TRABALHA PARA A MACONARIA SABEM PORQUE ? POIS ELE NAO CONSEGUE MAS ELE TENTA DETONAR TODAS AS IGREJAS . TODAS AS VEZES Q ELE FAZ ISSO ELE ESTA AJUDANDO O INIMIGO DA OBRA DE DEUS E VERDADEIRAMENTE UM SUB DO SUB DO SUB PRODUTO DO LIXO JA AGONIZANDO . QUEM SABE ELE PODE SE CONVERTER NOVAMENTE ?? MEU NOME GILMAR JOSE IPATINGA M GERAIS

Anônimo disse...

COMO FASSO P TER O IMAIL DO CAIO FABIO ? SERA QUE EXISTE 2 BIN LADEN OU EU ESTOU FICANDO MALUCO COMPARE A APARENCIA DO CAIO FABIO E O BIN LADEN E EU NAO ESTOU BRINCANDO NAO A SEMELHANCA E TREMENDA ! E POR INCRIVEL QUE PARECA ELE TAMBEM E UM TERRORISTA , UM EIXO DO MAL CONTRA O EVANGELHO !