Páginas

domingo, 18 de dezembro de 2011

Reinaldo Azevedo e coisas do gênero

É sabido que Reinaldo Azevedo não é flor que se cheire. Diz meu amigo @rondinellysm que existem mais uns dois ou três que se comparem a ele, em seu reacionarismo. Graças a Deus não conheço os sujeitos e evito de divulgar seus nomes aqui. Já é suficiente o nome de Reinaldo.

Esse tipo de gente me assusta, sejam eles de direita ou de esquerda, pois eles por um lado se julgam tão racionais, tão lógicos em seus argumentos e de repente soltam uma aberração lógica que é redondamente incompatível com aquilo que eles arrogam ser. E não adianta apontar a contradição. Eles não querem vê-la ou vendo-a, não podem e por isso não querem adimití-la.

O que me chamou atenção esses dias foi uma artigo seu: Uma análise absolutamente objetiva e fria da pesquisa CNI-Ibope. Ou: Um governo ruim, mas bom!

Ainda que eu não tenha nenhuma queda especial pelo PT ou Dilma, me assustou a gritante ignorância e parcialidade de Reinaldo ao tratar da análise da pesquisa CNI-Ibope. Análise essa que ele tem a coragem cretina de chamar de absolutamente objetiva.

O cerne da tese de Reinaldo se resume na pergunta:

Como pode ter taxa tão expressiva de aprovação geral um governo reprovado nos itens tomados individualmente?

Ainda que sua argumentação possa parecer para uma análise subjetiva a apaixonada correta, ela desaparece diante de um raso exame, que seja porém verdadeiramente objetivo e razoavelmente inteligente.

Basta um conhecimento da situação social do Brasil ou de matemática e média ponderada.

E aqui vão as taxas:

A forma como Dilma governa é aprovada, diz a pesquisa, por 72%.

O governo é aprovado em apenas três áreas:

1) combate à fome e à pobreza (56% a 39%);
2) combate ao desemprego (50% a 45%);
3) meio ambiente (48% a 44%).

O governo é reprovado em seis áreas:

1) Saúde - 67%;
2) impostos - 66%;
3) segurança - 60%;
4) taxa de juros - 56%;
5) combate à inflação - 52%;
6) educação - 51%

Se sabemos que fome e pobreza, desemprego e meio ambiente, são os principais problema vividos pela população. Se a população avalia positivamente o governo nessa área, evidentemente a avaliação geral será positiva.

Em outras palavras, não adiantaria nada termos uma educação maravilhosa e taxas crescentes de mortalidade infantil por subnutrição. Nada resolveria ruas super seguras, e taxas de desemprego exorbitantes e crescente, e população sem dinheiro para comprar comida ou roupa. Nada resolveria uma inflação super baixa e insatisfação geral com o meio ambiente.

De fato em face da fome, da pobreza e do emprego. Os demais itens:  saúde, impostos, segurança, juros, inflação e educação ficam em segundo plano.

Acho que não é difícil de entender…

Se essa avaliação positiva do povo é correta… Se o governo Dilma tem ajudado de fato a combater a fome, a pobreza e o desemprego, e se tem sido eficiente quanto ao meio ambiente, essa já é, porém, outra questão.

Um comentário:

Rubinho Osório disse...

Vc sempre cutucando com vara curta, né? Agora, deixou de lado as Normas e os Nicodemus da vida e encara um reaça político.
Eu, por outro lado, acho que não merecem a tua atenção.