Páginas

sábado, 11 de julho de 2015

Para meu amigo que acha que entende grego

Você estava feliz com a postura do governo grego? Então temos que juntos rever algumas coisas que estão sendo negligenciadas nessa história.

Talvez a mais importante delas não seja a luta do capital, neoliberal, do sistema financeiro, contra uma pequena nação indefesa.

Se você está absolutamente convicto disso e puto da vida com a crueldade do sistema, a primeira coisa que temos que levar em conta é que tudo é relativo e enquanto você não for capaz de cogitar outra hipótese, você também não será capaz de percebê-la.

Você não irá perceber que a Grécia recebendo mais dinheiro irá somente realimentar o sistema como tem feito. De forma austera ou não. Ainda que o governo seja de esquerda.

Você não irá perceber que ainda que as intenções esquerdistas do governo grego sejam não repassar dinheiro para o sistema financeiro e aplicar em outros setores e programas sociais, em regra, isso só funciona dentro das leis e canais de um setor financeiro (com todas as mazelas e virtudes que todo e qualquer setor econômico possui).

Você não irá perceber que ainda que a Grécia reinvente o setor financeiro, ela teria que ser capaz de transmitir seu modelo para as outras 18 nações da zona do euro, as quais bem ou mal estão satisfeitas com o modelo vigente que possuem.

Você não irá perceber que as outras nações, ricas e menos ricas, se satisfazem com o sistema vigente, pois foram elas mesmo que geraram esse sistema.

Você não irá perceber que “o espírito capitalista” está intimamente ligado “à ética protestante” de muitas daquelas nações. As quais são tidas como modelo de prosperidade e exemplo a ser seguido (quer gostemos disso ou não).

Você não irá perceber que aquela ética e portanto a cultura daquelas nações funciona simplesmente num outro paradigma. O qual, os gregos querem romper, se valendo dele, sendo sustentado por ele e permanecendo dentro dele.

Se até aqui você ainda não conseguiu ver o beco sem saída que os gregos adentraram. É fácil entender porque você está feliz com a “democracia” grega.

O desenrolar dos fatos tem mostrado porém um governo grego mais fragilizado ainda, dando o braço a torcer, prometendo (agora) reformas que ninguém acredita que serão cumpridas.

As prognoses, que a cada dia vão se tornando cada vez mais evidentes, apontavam para reformas mais duras ainda após o referendo, ou um grexit.

Nas duas hipóteses o grego falará num português alto e claro que a canoa que seu governo fizeram eles embarcar era furada...

Um comentário:

rubens osorio disse...

Que bom que eu não entendo grego... nem troiano!