Páginas

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Como orar?

Certa vez, Jesus se encontrava num cantinho orando. Mal havia terminado, foi surpreendido com uma solicitação: “Senhor, ensina-nos a orar”. Esse pedido surgiu de uma ansiedade: querer ser igual aos outros. Sim! Os discípulos de João sabiam orar, mas aqueles/as que andavam com o Mestre ainda não. Ao abrir sua Bíblia no livro de Lc 11,1-4, você verá que oração não é imitação. Não há fórmulas sobre o que dizer e o que não dizer quando se fala com Deus.

Há pessoas que dizem que não sabem orar. Não há problema nisso. Elas não são diferentes de ninguém. Se quem andava com Jesus precisou aprender, quanto mais a gente! Não importa o tempo de igreja, todos somos e sempre seremos analfabetos em oração.

Só que as palavras do nosso Salvador não foram para resolver o sentimento ansioso no coração dos seus seguidores. Eles não estavam ali para competirem com os discípulos de João Batista. Pouco aprenderam, aliás, sobre o relacionamento entre os dois, Jesus e João, que era fruto da amizade entre suas mães, Maria e Isabel. Por isso, o Senhor vai retirar o foco de sua ansiedade e colocar seus olhos no Pai.

A partir daí, daquele que iguala todos nós à condição de filhos e filhas, aprendemos que nosso objetivo é glorificar o seu nome paterno, tendo esperança na chegada de seu reino. Seja qual for o nosso problema, nada pode nos impedir de esperar em Deus, de acreditar que o futuro está nas suas mãos. Dizer “venha o teu reino” é o mesmo que dizer “eu acredito num amanhã melhor”.

Então, Jesus mostra onde os olhos dos discípulos/as deveriam estar: no pão de cada dia. E aqui ele nos ensina que o nosso trabalho é uma graça divina. Não merecemos nada, é ele quem nos dá tudo. Se há uma coisa que deveríamos fazer todos os dias, isto é agradecer pelas atividades que podemos realizar, através das quais recebemos o nosso sustento.

De nossa parte, no entanto, sempre falhamos. E assim pedimos perdão. Precisamos fazê-lo principalmente quando deixamos de perdoar uns aos outros. É justamente este mal, da falta de perdão, que faz o mundo perigoso, já que corremos o risco de cair na tentação de não ter interesse em transformar a realidade em que vivemos, ignorando toda a maldade que há ao nosso redor.

Se deixarmos Deus nos ensinar a orar, com certeza seremos livres de tamanha tragédia. Afinal, oração é aprender com Jesus. Não adianta querer falar palavras bonitas só para imitar o discurso de alguém. Não adianta usar a língua se não houver ouvidos. Sem os ensinamentos do Senhor é impossível orar. Nossa vida é a nossa oração!

5 comentários:

Lou Mello disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lou Mello disse...

Um espaço novo com propósitos cristãos nobres e, ainda por cima, com o logo do Coração Valente. Agradeço e ficarei de olho no que rolar. Parabéns!

OPS: O comentário anterior era meu, mas alguém comeu um "s" e resolvi corrigir. :)

Juber Donizete Gonçalves disse...

Roger,

Blog novo e com dois belos textos. Obrigado por adicionar meu blog nos seus links. Quero adicionar o seu, mas não consegui achar o endereço do seu blog.

Abraço.

Roger disse...

Fanuel,

muito bonito e pertinente seu Post.

Pessoalmente estou sendo incomodado novamente para a oração. Digo incomodado pois temos vários hábitos errados que tornam essa atividade mais desgastante e chata do que na verdade ela é.

Você aponta alguns deles, como a falta de perdão, as repetições e imitações que nos assaltam.

Me incomoda também o fato de que oramos muito hoje pelas pessoas nas igrejas. Como se a oração intersessória fosse o foco do ministério cristão. As pessoas "recebem" oração, nem é uma interseção! Eu deveria verificar em minha Bíblia antes, mas acho que não há indicação que Jesus ou os discípulos saíssem a orar pelas pessoas. Ele as curavam, as exortavam e as abençoavam... tenho que examinar isso ainda pois não estou bem certo. Claro que oravam pelas pessoas, mas não como um serviço, uma ferramenta ou um fim em si mesmo. No fundo fica aquela sensação de que os fiéis precisam de um sacerdote, novamente...

Vejo pelo contrário os líderes, como Paulo, pedindo oração, e não os fiéis para os líderes...

Mas como você bem falou, ninguém "sabe" orar. O próprio Paulo diz que não sabemos orar (pedir) como convém, mas o Espírito nos ajuda. Rm 8.26-27

Esse assunto é bom!

Valeu pela pronta participação.

Roger

Paulo Costa disse...

Amigo Roger,

Aceitei o convite que me fez no Orkut. Cá estou eu a visitar o seu blogue. Li com atenção este post e gostei imenso. Ultimamente, tenho lido e meditado imenso sobre a oração. Sem dúvida que devemos aprender com o exemplo do Mestre Jesus em todos os aspectos. É o seu Espírito que nos ensina a orar; que ora em nós; que nos consola, fortalece, ilumina e transforma.
Gostaria de partilhar consigo alguns pensamentos sobre a oração:

"Quando o espírito estabelece morada numa pessoa, esta não pode deixar mais de rezar, porque o Espírito não cessa de orar nela. Quer durma quer esteja acordada, a oração não se separa da sua alma. Enquanto come, bebe, trabalha ou dorme, o perfume da oração exala-se espontaneamente da sua alma. " (Isaac, o Sírio)

"Rezar significa olhar Jesus, amando-O." (C. de Foucauld)

"Para mim, a oração é um impulso do coração, é um simples olhar lançado para o céu, é um grito de gratidão e de amor, no meio da provação como no meio da alegria, enfim, é qualquer coisa de grande, de sobrenatural, que me dilata a alma e me une a Jesus." (S. Teresa de Jesus)

Muito sucesso para o seu blogue!
Abraço fraterno!