Páginas

quarta-feira, 21 de abril de 2010

O problema de Deus

k0294051[1] Ao criar o universo fantástico e os homens traquinas à sua imagem e semelhança os problemas passaram a existir, mas não chegaram a atingi-lo.

Quando o problema do pecado surgiu no Éden, Ele deu uma risada de canto de boca, coçou o bigode (que naquela época ainda não estava branco) e tirou a carta que tinha debaixo da manga (o antídoto já estava preparado antes mesmo da fundação do mundo).

Os problemas do mundo se avolumaram. Deus sempre usava, ou de sua severidade, para por fim à bagunça (como no Dilúvio e outras matanças que patrocinou) ou de sua misericórdia transformando a bagunça em algo proveitoso, como na saga dos filhos de Israel. Ou seja, sua soberania deixava-o sempre acima de todo e qualquer problema.

Deus estava por completo fora do tempo e do espaço, que Ele mesmo criara. Ele enxergava o todo e não contava os dias, horas e minutos, como costumamos fazer no dia mal, na hora da aflição e nos minutos de desespero.

A história porém mudou, pois Ele, como que num estalo, entrou no tempo e no espaço, enfim na própria história e esse foi o início de todo o problema divino.

Vestido de carne, coberto de pelos e banhado de sangue, Deus passou a olhar o mundo literalmente através da perspectiva dos olhos humanos. Viveu tão intensamente a experiência humana, que não podendo experimentar o pecado, ele mesmo se fez pecado; e morreu.

Embora tenha vivenciado na própria pele todos os problemas que nós homens mortais experimentamos, após ressuscitar viu-se mais uma vez por cima da carne seca. Então, ao contemplar a miséria que ainda encenamos aqui, Ele conseguia ainda dar aquela risada de canto de boca e coçar o bigode (agora já esbranquiçado pelo tempo).

Um problema porém fez com que Deus não conseguisse ocultar dos anjos sua testa franzida e olhar nostálgico: Uma vez feito homem e experimentado todo sabor e dureza cronológica e os limites e possibilidades tridimensionais, Ele não poderia mais encarar o finito e infinito da mesma forma. Ali, acima das estrelas e além dos portais da morte e do coração, pulsava-lhe uma lembrança intrigante de algo puramente humano.

Sua identidade outrora meramente Logos, divina, fora arrancada na cruz; deixando-lhe simplesmente o homem, o judeu, o rabi, o carpinteiro, a serralha: o pó. Vencida porém a morte, agora já não era mais homem nem tão pouco Deus, não, pelo menos, na forma que Ele se acostumara ou aprendera a ser, e nós a conhecermos.

Como filho do homem e filho de Deus, alcançou a maioridade, porém não tornou-se nem 100% homem nem 100% Deus.  Não era uma coisa nem outra, mas um novo ser, 100% homem-Deus.

Até que todas as coisas sejam restauradas terá que conviver com esse problema de ser um estranho no ninho, pois ainda não tem onde reclinar a cabeça, seja lá onde é que Ele se encontre.

6 comentários:

Rubinho Osório disse...

Primorosa - acabei de usar essa palavra no blogue da Raquel, e gostei! - ficção!
No entanto, incorreta. Pois veja: quando morei no exterior, imergi na cultura local a ponto de me tornar "um deles", sem, entretanto, deixar de ser brasileiro. Não me tornei um "brasiricano", nem um "americaleiro", um novo ser. Apenas ampliei minha identidade. Só.

Djalmir de Barros disse...

"Ergueu no patamar quatro paredes mágicas/Tijolo com tijolo num desenho lógico" (Chico Buarque, Construção)) Assim é seu texto.

Você pensa com lógica, com coerência. Isso é Teologia de primeira classe; porquê, "Um homem pode imaginar coisas que são falsas, mas ele pode somente compreender coisas que são verdadeiras, pois se as coisas forem falsas, a noção delas não é compreensível." [ Isaac Newton ]

Lucas Ferreira de Paula disse...

Tipo...meio herege essa reflexão...rs, mas mto valiosa qndo a gente fala mto sobre o impacto de "experimentar a vida de Deus", vc fez o caminho inverso, o impacto em Deus de "experimentar a vida da gente". Estás de parabéns, Roger! Eu estou com alguns textos engatilhados, mas falta eu sentar e escreve-los

Roger disse...

Rubinho,
não sei se foi pura intuição, mera coincidência, ou você seja mesmo o mago que eu sempre suspeitei: você tocou fundo no alicerce do texto.

Virando alemão, também ampliei minha identidade, mas a tal ponto que distorceu por completo minha "brasileiridade" e "mineiridade" (antes que você queira me jogar para os lados de Gramado ou Blumenau). Não preciso nem mencionar que 90% da população sensata alemã me olha com uma sobrancelha erguida quando conto que sou alemão. Hoje, não sou mais um brasileiro, nem tão pouco um alemão, só reencontro minha verdadeira e completa identidade quando admito que não passo de mas um híbrido brasileiro-alemão. É difícil separar e recompor o azul e amarelo de uma cor verde.

Voltando para Deus, tenho a impressão que há mais coisas corretas nessa "ficção" do que nossa vã imaginação possa supor.

Eduardo Medeiros disse...

Roger, seu texto é poético mas não sei se de fato, você acredita na literalidade do cerne do que escreveu.

Como símbolo, seu texto é lindo. Eu o li assim, através do poder que o simbólico possui.

Não creio que seja possível falar de tais realidades se não for assim.

abraços

Roger disse...

Eduardo,
símbolos são como bons amuletos, eles têm poder independentemente da fé, funcionam ainda que não acretitamos neles.