Páginas

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Cristãos [mal] perseguidos

Existiram épocas ou existem locais onde ser cristão significou ou significa risco de vida. No início do milênio passado a igreja foi perseguida por judeus religiosos e depois pelo próprio império.

A raiz da perseguição estava no simples fato de se proclamar um Deus, diferente do “Deus oficial” ou um Senhor, diferente do senhorio do Imperador.

Com o passar dos séculos a perseguição passou a ser exercida pela própria igreja e tinha como alvo “os hereges”, aqueles que proclamavam doutrinas diferentes da oficial. Também eram perseguidos os que não confessavam a fé cristã, como no caso dos judeus.

Mais na história ressente na época da cortina de ferro, nos regimes totalitários comunistas ateístas eram perseguidos os cristãos que procuravam converter outras pessoas ou proclamavam a sua fé. E assim é hoje de certa forma na China e em certos países mulçumanos. Os cristãos podem exercer sua fé lá, mas não podem “converter” outros. E aí de quem se converter!

No Brasil, é verdade, a igreja católica não recebeu de bom grado os primeiros pregadores protestantes. E sabemos que muita discriminação houve (a bem da verdade de ambos os lados) e também ações agressivas.

Mas pelo jeito, a maioria parece concordar (veja e participe Enquete ao lado), a situação hoje no Brasil é bem diferente disso tudo.

Todavia o texto bíblico afirma categoricamente:

E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.

Já que no Brasil os cristãos aparentemente não sofrem perseguição [e que Deus conserve assim] surge-me três hipóteses em face do texto supracitado.

  1. Será que eles não vivem piamente em Cristo?
  2. Será que todo e qualquer desafeto e revés (aos quais todos estão sujeitos e padecem) é uma espécie de perseguição?

Já ouvi falar de casos de pessoas que abusaram do seu direito de expressão provocando e atacando homossexuais, não colocaram os filhos na escola, e tiveram que sair fugido do Brasil alegando perseguição do governo e coisa do gênero. Não conheço o caso a fundo. Mas me parece que existem situações onde nós, por culpa própria, sofremos penalidades seja formais ou informais de autoridades ou não, seja no trabalho, escola ou família, e nos queixamos então que estamos sendo perseguidos. A coisa toda pode ser espiritualizada e alega-se uma perseguição orquestrada pelas forças do mal. Uma espécie de paranoia, psicose espiritual. Então surge a terceira hipótese:

     3. Será que por querermos interpretar a Bíblia ao pé da letra, não acabamos por distorcer a realidade?

Mas não seria a realidade factual que deveria moldar nossa interpretação do texto bíblico? Eu sei o texto bíblico deve também nos auxiliar a interpretar a realidade, que nem sempre é tão objetiva assim, mas não ao ponto de nos tornar alienados.

Se Jesus é mesmo A verdade como, Ele mesmo afirmou, acho que não precisamos, e até não se deve, violentarmos a realidade para “fazer valer” nossa ortodoxia. Salvo engano, seria mais honesto e até mesmo mais santo admitir que a Bíblia em determinados casos não condiz com a verdade, que ela é contraditória ou paradoxal - como queira.

4 comentários:

Neto disse...

Olá Roger!

Eu votei na enquete, dizendo que "SIM", os cristãos [verdadeiros] no Brasil são perseguidos.

E quanto à questão "Já que no Brasil os cristãos aparentemente não sofrem perseguição [e que Deus conserve assim] surge-me três hipóteses em face do texto supracitado."
E eu creio que a razão é "Será que eles não vivem piamente em Cristo?"

A perseguição verdadeira é essa:
Viver piamente, em fé obediente, a Cristo e Sua Palavra.

Somente isso já basta para criar as perseguições. Elas virão automaticamente. Não precisa ser paranoico e "caça-las". Elas aparecem. Quem quer andar com Cristo sempre incomodará quem odeia a luz.

Quais perseguições?
Censura, ódio, maltratos, isolamento, violencia, e por aí vai...

Um abraço.

Neto disse...

Como disse Paul Washer uma vez:
"É por isso que quando as pessoas me dizem que hoje há tanto pecado dentro da Igreja quanto fora dela, que existe tanto divórcio, pornografia, mentiras, ódio, contendas na Igreja quanto fora dela, isso é mentira! A Igreja de Jesus Cristo, hoje, na América [e no mundo!], é linda. Ela está quebrantada, ela é confessional, ela está andando com Seu Deus, e quando ela peca, isso quebranta seu coração e ela se volta para Ele. O seu problema é: Isso que você está chamando de igreja não é a Igreja!
Se a Igreja é o que a maioria das pessoas diz, então a Nova Aliança e todas as promessas da Bíblia falharam. Mas Deus diz que na Nova Aliança, Ele criará um povo e Ele será seu Deus e eles serão Seu Povo, e a Lei de Deus será escrita em seus corações e eles andarão nela."

Felipe disse...

Será que a perseguição nesse contexto, a saber, em uma sociedade pelo menos "acostumada" com o cristianismo (hesito usar "sociedade cristã" para não cair em inconvenientes), a perseguição não se daria de outras maneiras?
Tomemos o caso de Dietrich Bonhoeffer e de Martin Luther King. Os dois ministros cristãos foram perseguidos, não por simplesmente professar a fé cristã, mas pelos compromissos que sua fé os levou a assumir. Bonhoeffer opôs-se a um regime político ímpio e morreu enforcado; Martin Luther King se opôs a um sistema que oprimia sua etnia, se foi assassinado por um simpatizante a esse sistema. Assim, será que a perseguição por aqui não se daria a partir de compromissos com o oprimido que uma fé mais sólida levaria? Não seria o caso de "chorar com os que choram"?

Jonas Silveira disse...

Cristãos não são sofrem de perseguição política e coisas do tipo, na verdade até concordo com o contrário, que os cristãos perseguem hoje em dia.

Atualmente, a quantidade de informação disponível é muito grande e os cristãos são condicionados à refutar qualquer hipótese contrária ao fundamentalismo religioso. Não sabemos lidar como por exemplo os inúmeros evangelhos "recém-descobertos". Somos programados para sermos ignorantes, pois ignoramos o conhecimento. Isso é prova da manipulação que a igreja exerceu sobre os fiéis e talvez ainda exerça inconscientemente por um legado histórico.

Será que não estamos nos afastando cada vez mais de Deus, nos apoiando somente nos evangelhos canônicos?