Páginas

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Inveja

Inveja, esse, sim, é um sentimento mesquinho. É aquilo que às vezes percorre nosso coração quando vemos alguém se dando bem na vida. “Poderia ser eu...” – se traduzido em palavras, estas seriam as que melhor representariam tal sentir. É o que a gente acaba dizendo lá no fundo da alma, sem quase perceber que o que queremos realmente não é o sucesso “como” o outro obteve; mas , ao contrário, desejamos na verdade ter o próprio sucesso do outro, contudo sem percorrer os mesmo caminhos que este percorreu.

Estar em uma determinada posição. Ter exatamente o que alguém conquistou, só que isso, claro, sem se submeter a todos os processos e etapas aos quais este teve de se submeter para chegar onde chegou.

A inveja... ela é a preguiça de sermos nós mesmos, a preguiça de lutar e conquistar nossas próprias conquistas. E o contrário da inveja é a alegria fundada no ser, nosso próprio ser. O gozo de ver a si mesmo como um alguém digno, potente e disposto a caminhar seus próprios caminhos, ainda que estes sejam mais difíceis e dolorosos que os caminhos de outras pessoas...

3 comentários:

Roger disse...

Disse Tom Jobim que sucesso no Brasil é sinònimo de ofença: tá aí a inveja.

Jesus disse que não há profeta sem honra a não ser em sua própria terra: tá ela aí novamente.

Às vezes penso que esses são os dois fatores, que na verdade é só um, que nos impedem te ter lideranças brilhantes. Como todo país do mundo em suas hitória tiveram.

cincosolas disse...

Humberto,

Vou um pouco mais fundo no sentimento mesquinho da inveja. O invejoso não pensa simplesmente, "poderia ser eu", mas chega a "já que não sou eu, que não seja ele também".

O invejoso lamenta mais o sucesso do outro que o próprio fracasso. É como o torcedor que prefere seu time rebaixado a ver o rival campeão.

Em Cristo,

Clóvis

Humberto Ramos de Oliveira Júnior disse...

Clóvis,

Você está coberto de razão. É bem isso...

Complexo é este sentimento!

Que Deus nos livre dele.

Abração!