Páginas

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

O despertar de uma má consciência sem limites

O problema do puritanismo é naturalmente do meu mais alto interesse, pois se por um lado este forma personalidades religiosas notáveis, por outro lado, todavia, às vezes, pode levar a uma catástrofe psicológica.

(…)

Em todo tempo o homem cedeu à ânsia de localizar o mal e o diabo.

(…)

Que alívio é para quem está sendo atormentado por uma consciência pesada, poder localizar o mal fora de si.

Ora, o puritanismo me parece proceder de maneira análoga.

(…)

A intenção original foi muito mais positiva do que negativa. (…) Mas com o tempo sucedeu que aquele aspecto negativo do puritanismo de Genebra e suas ramificações na Escócia prevaleceu, mais tarde também nos Estados Unidos. A partir de então apareceu  como uma tentação ao Puritanismo localizar o mal: Através de uma espécie de pacto social cria-se uma lista de coisas proibidas.

(…)

O sentido psicológico contudo me parece estar em arranjar àquele que observa a rigorosa lista uma consciência limpa, a qual se encontra dentro do campo do possível, porque a lista é limitada, independente do quão implacável ela seja.

Assim o industrial puritano do [pen]último século podia ter uma consciência limpa, quando levava uma vida exemplar e era muito exigente consigo mesmo em relação às coisas proibidas, sem porém perceber, que aproveitava da miséria de seus trabalhadores, apesar de toda sua generosidade paternalista.  (…)  A literatura moderna com Camus, Sartre ou Simone Weil despertou–nos novamente a má consciência sem limites, a qual se sente responsável por toda injustiça do mundo, da qual não se pode renegar de uma forma barata através de um estilo de vida austero, e para qual nenhuma outra resposta existe a não ser a infinita graça divina.

Paul Tournier em

L´homme et son lieu [O homem e seu lugar]

3 comentários:

Por Ele. disse...

O caminho é in!

Lou Mello disse...

O Paul Tournier sempre foi mei subversivo, não ligue para ele.

Rubinho Osório disse...

Roger, e pensar que a minha postagem (http://rubensosorio1.blogspot.com/2009/09/as-arvis-somos-nozis.html) foi antes de ter lido esta tua linda reflexão sobre o Tournier...