Páginas

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O plano "B" de Deus (1)

1042R-8340B[1]Pensar em um Deus sem plano "B" é absurdo. É imaginar um Deus não criativo, obtuso e obsoleto. Quero demonstrar isso em dois textos, um abordando as questões filosóficas e o outro o lado teológico.

O Lado Filosófico

"Plano B" é uma expressão curiosa. Por um lado traduz-se em fracasso (do dito plano A) mas por outro sucesso (um plano B sucede o A).

Plano em si é uma questão de tempo, futuro. Um bom plano é aquele que consegue antever os acontecimentos futuros. Embora Deus determine certos acontecimentos futuros e preveja outros, ele não pode ter conhecimento pleno de todo o desenrolar da história humana, pois isso implicaria em:

  1. Determinismo e destino
  2. Violação do livre arbítrio humano
  3. Deus mesmo estaria preso e impotente frente ao futuro

Quanto a isso já temos questionado persistentemente nos textos "Conheceria Deus o futuro?" Um deus determinista é um deus obsoleto, pagão, que já foi (ou já deveria ter sido) descartado em algum lugar do tempo por um mundo cristianizado.

A implicação lógica do fato de um deus conhecer todos acontecimentos futuros é a que ele não necessitaria de plano algum, nem um plano B e nem um A. Pois o plano, o conjunto de métodos e medidas para se atingir determinado fim, visa justamente e somente garantir que o alvo seja atingido, frente às contingências. Se não existem contingências, não podemos falar de plano, mas de programa, de narrativa ou qualquer outra coisa, mas não plano.

A questão é muito simples, porque há imprevistos, forças contrárias e fracassos faz-se necessário um plano. Um deus que observa a história como se fosse o desenrolar de um programa, ou uma seqüência lógica de causas e efeitos é um deus obtuso, não pessoal, que não penetra na história humana.

Uma terceira barreira filosófica ou lógica em se descartar a capacidade divina de formular planos Bs, Cs ou quantos forem necessários, está justamente na definição intrínseca de que um plano não é nada menos do que um conjunto de subplanos. Quando lança-se mão de um plano B, significa que ainda há um alvo a ser alcançado, que existe um alvo maior. Se João levou um fora de Maria (o plano A) e agora está com Cláudia (o plano B), significa que havia um alvo maior que era ter uma relacionamento amoroso.

Pensemos agora se o plano maior fracassa e não há um plano B. Como no exemplo a cima, digamos que a pessoa fique solteira mesmo. Bem da verdade que na experiência humana tal situação é tão comum e angustiante, como outras semelhantes, não ter filhos, ou não ter saúde, trabalho e etc. São situações extremas que ameaçam a existência de um indivíduo. Como achar um plano B para questões tão importantes e existenciais assim?

Mas estamos falando de um Deus criador e por isso criativo! Quantos seres humanos que frente a essas experiências extremas e dolorosas não se reinventam e não conseguem achar uma alternativa de vida que faça sentido e tornam-se assim em exemplos para os "perfeitos" sem problemas?

Acho que a Bíblia está repleta de exemplos onde Deus se reinventou e achou alternativas para seu plano, criando assim uma alternativa para se atingir um alvo mais nobre. Esses exemplos quero tratar no texto seguinte.

6 comentários:

Tuco Egg disse...

Essa semana tb fiquei matutando nesse tal de 'Deus não tem um plano B'. Isso me dá uma sensação estranha. Concordo com sua sucessão de planos pra atingir um objetivo. Parece razoável.

Roger disse...

Nada como ter o respaldo de um "matutador" de seu calibre, Tuco. Mas já sei que não tarda chega o Rubinho com as ressalvas intrigantes, mas não menos bem vindas, dele.

Graça disse...

Muito boa reflexão. É que as vezes confundimos planos/forma com intenções. O Senhor tem só uma intenção; planos, Ele os deve ter de montão...

MINISTÉRIO BATISTA BERÉIA disse...

Você disse que Deus "não pode ter conhecimento pleno de todo o desenrolar da história humana", eu discordo plenamente de você, pois Deus não só conhece o futuro, como Ele tem o controle de toda a História da Humanidade. Por isso que Ele é Deus. Leia o livro do Apocalipse, o livro de Daniel e você verá claramente que Deus já está com a história em suas mãos. Você está mostrando nesse texto que Deus é um ser totalmente dependente das atitudes humanas e que fica lá no céu roendo as unhas para que nada venha dar errado em seus planos. Você está servindo a um deus muito pequeno. O que eu sirvo disse que tem toda a autoridade no céu e na terra.
Fique na Paz!
Pr Silas

Roger disse...

Silas, é sempre bom ter alguém discordando. Eventualmente estarei aproveitnado seu ponto de vista no texto seguinte.

Rubinho Osório disse...

Roger, vc vive me cutucando... rs
"Plano" é algo bem "humano", certo? A onça, quando tem fome, sai a caçar. Durante a caça ela elabora um "plano" para abater a presa. Mas é só. Ela não "vive" segundo um "plano". Ela vive.
O Homem, não. Vive fazendo planos - eu sei porque fiz muitos. Então é natural pensar que Deus também deva ter um plano - ou dois - porque, afinal, somos imagem dEle... E há tantos textos bíblicos a corroborar este conceito, não é, Pr Silas??
Pois permita-me discordar de ambos. Os textos mencionados, no meu entender, mostram mais que Deus é DEUS do que déspota, ditador. Por outro lado, sendo DEUS é implícito seu conhecimento de tudo - passado, presente, futuro - e isso não implica que Seu Plano seja inflexível. Aliás, DEUS não precisa nem de plano, quanto mais de plano A, B, C, etc.
Portanto discordo tanto de ti, Roger, quanto do Pr. Silas.
E agora?