Páginas

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Travessia infernal

Era noite de lua minguante. O barulho do vento era aterrorizante.

Lá fora o cachorro, fiel guardião da casa, latia incessantemente. Possivelmente um assaltante… ou coisa pior.

Agora, silêncio. O obstáculo, cachorro, certamente já havia sido eliminado. Bolinha, carne com veneno, ou simplesmente um tiro com silenciador, ou coisa pior.

Uma ação rápida fazia-se necessária, frente ao perigo iminente. Toda cautela era pouca.

Prendeu o fôlego. Sorrateiramente ela se descobriu e levantou-se num silêncio titânico. Achegou-se até a porta do aposento, onde tentava horas afim, sem sucesso algum, voltar ao sono. O vento sacudia a velha janela de madeira, que era protegida por uma grade de aço. Ali ladrão ou bicho não entraria, mas a porta da copa oferecia resistência nula. Bastaria um pé-de-cabra e, pronto, o pandemônio estaria feito.

Ficou observando o trinco da porta, talvez ele se moveria. O grito já estava engatilhado na garganta.

Tentou decifrar as sombras que variavam em formas, cada uma mais macabra do que a outra, nos vidros da janela da copa – que também era fortemente protegida por uma grade de aço. Os casos de arrombamento, morte e assassinato no bairro e redondezas não eram escassos.

Agora o cachorro voltara a latir, e mais estridentemente.

Não restava muito tempo.

Numa rápida e corajosa corrida atravessou a copa e chegou até a porta da sala, que era mais escura que a copa. Se o marginal, ou seja lá qual criatura fosse, já tivesse adentrado a casa estaria agora debaixo do sofá. Ou escondido em algum canto ali.

O coração disparou a mil. Voltar para o quarto era impensável e impossível. Tarde demais: a morte seria melhor do que ter que regressar novamente pela copa. Num ímpeto louco, e tirando forças que só Deus sabe de onde, avançou pela longa sala.

Deparou-se então frente à porta do outro aposento. Restava-lhe, agora, a última gota de coragem. Firmou o punho, fechou os olhos e bateu à porta:

- Quem é? Perguntou uma voz sonolenta.

- Sou eu. [Pausa silenciosa…] Não consigo dormir…

- Entra, meu bem.

A respiração e batimentos cardíacos já voltara ao normal. Aconchegou-se então instantaneamente ali, bem no meizim.

Agora, segurando o polegar do papai e sendo acariciado pela mamãe, aquela brava criancinha iria voltar ao seu doce sono, para em poucos minutos ser levada novamente para sua caminha.

Enquanto isso, lá fora, o cachorro percorria heroicamente o quintal, e policiava os gatos da vizinhança.

2 comentários:

Denise disse...

Ah Roger! Voceme faz chorar tanto!!!

Tuco Egg disse...

E foram tantas vezes que um dos pequenininhos veio aconchegar-se no 'meizim'. :)

Agora já tão grandinhos e enfrentam seus medos sozinhos.