Páginas

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Paranóia gerencial: Estudos de casos

PEO-289[1] Realmente é mais fácil dissertarmos contra algumas teorias do que elaborarmos nossas próprias, principalmente em se tratando de Deus. As chances de que uma teoria humana sobre Deus e seu Reino esteja equivocada são enormes, seja ela qual for.

Por isso talvez Jesus optou por parábolas, comparações, figuras e imagens e não por caixotes lógicos hermeticamente fechados.

Por exemplo, Ele nunca disse você terá muitas pessoas sobre seu comando, ou você liderará (terá autoridade) sobre muitos. Simplesmente disse, você será pescador de homens e apascente minhas ovelhas. Pescar e apascentar podem significar e significam de fato muitas coisas.

O mesmo acontece com sua Igreja. Aquela que Ele disse que edificaria.

Alguém já achou uma boa desculpa dizendo que a Bíblia não nos instrui sobre tudo, como tudo deve ser feito na igreja. É verdade… Assim cria-se artifícios mil. Mas será que no pouco que a Bíblia nos instrui não estaríamos sendo há muito negligentes?

A evidência da dominação da ótica gerencial sobre o mundo eclesiástico pode ser vista nas palavras da moda, como: propósito, plano, missão, estratégico e outras do gênero.

Vejamos alguns exemplos reais:

    • Visão: Ser uma comunidade de amor, multiplicadora de discípulos de Jesus.
    • Missão: Trazer pessoas a Jesus, edificar os cristãos e juntos adorarmos a Deus, servindo a Cristo na comunidade e no mundo.
    • Nós existimos para celebrar a presença de Deus Esta é a prioridade número um de nossa igreja, porque esta é a prioridade número um de nossas vidas.
    • ser um sinal histórico do reino de Deus. Cremos que o ministério da Igreja é extensão do ministério terreno de Jesus
  • Nossa história…

Lembro-me que estava em Amsterdam em 1999 a primeira vez que ouvi sobre esse blá blá blá de propósitos para igreja. No mundo empresarial essa moda já havia pegado há algumas décadas antes.

Tudo é muito bonitinho, didático e hermeticamente fechado. Só me irrita o total despropósito dos propósitos. Não consigo imaginar em hipótese alguma (a não ser num filme do Monty Phyton ou Mel Brooks) essas sentenças nos lábios de Jesus.

Já que me propus a estudar os casos examinemos as sentenças:

  1. Ser uma comunidade de amor!? Não seria óbvio demais? Tem certas coisas que não precisam ser ditas, e ainda que ditas não precisam ser escritas de forma emblemática. Isso é tão redundante como dizer que nossa igreja tem como visão ser uma igreja
  2. Trazer pessoas a Jesus: Esse é o que eu mais gosto e merece uma análise mais profunda! Pois no fundo a máquina só funciona se a pirâmide for construída se a bola de neve rolar. Mais um pra Cristo! (Gostaria de ver pessoas que escrevem isso pegarem suas famílias e irem para a Arábia, Indonésia, Turquia ou lugares onde o Evangelho de fato ainda não foi anunciado). Imagine um time de futebol com o alvo de ganhar mais torcedores. Não dá. O alvo é vencer, jogar bonito. Ninguém precisa saber grego para entender que o ide significa "indo", basta ler os exemplos dos Evangelho e do livro de Atos. Jesus disse: quando eu for levantado todos atrairei. Paulo foi contundente, quando estou fraco é que estou forte. Não são as técnicas e as estratégias e muito menos a busca obstinada por almas que nos renderão mais irmãos. É o viver simples e o simples viver. Uma mão levantada, uma oração de entrega, um batismo não significava e nunca significará mais uma alma sendo salva, a não ser nas estatísticas ferozes dos líderes ambiciosos.
  3. Nós existimos para celebrar… De fato esse propósito poderia parar aqui. Não há coisa melhor do que uma boa celebração! Adorar se resume mesmo em louvar, cantar e cantar no culto. Por ser um tema tão batido dispensa outros comentários.
  4. ser um sinal histórico do reino de Deus - respeito o pastor da igreja da qual retirei essa curta linha. É mesmo bem elaborado, pois estão aqui dois termos muito importantes, "história" e "Reino de Deus". Além de toda a visão seguir uma linha lógica impecável. Peca todavia na técnica de estabelecer um visão. Por que não? Simples, porque somos igreja e não uma organização, não somos uma empresa. E até mesmo nas empresas essa paranóia dá nojo pois homens não são máquinas para serem programadas. O jogo se passa nos bastidores. A ideologia está por trás da propaganda e as razões estão ocultas no subconsciente. Porque então inventar? Tem algumas coisas que funcionam melhor se não forem ditas. Imaginemos por exemplo uma visão para indivíduos: minha visão é ser um homem adorador, constituir uma família, ganhar um salário X, influenciar meus vizinhos ou qualquer coisa do gênero. A partir do momento que sou guiado por uma visão passo a ser um tolo, que não sabe o que quer, não sei do que gosto e preciso de uma visão para me direcionar. E um tolo maior ainda me pergunta: Qual é a sua visão de vida?? Não tenho visão de vida. Eu vivo. Enquanto estou vivo estou feliz. Preciso para fechar fazer mais duas considerações: a) Imagine Jesus falando para aquela gente simples: queremos ser um sinal histórico do reino de Deus… Jesus! Que viveu 90% de sua vida sem nem ser percebido, pacatamente numa carpintaria. b) Alguém já lembrou bem da frase, "pra quem não sabe onde quer chegar todo vento é bom". Mas não foi isso mesmo que Jesus falou, não sabe de onde vem nem pra onde vai?

Acho que essas declarações só servem como atestado de incompetência para medirem nossa falta efetividade e de integridade.

Então você me pergunta, qual é minha sugestão?

Provavelmente eu ainda deva ter uma ou duas…

3 comentários:

Professor Augusto disse...

Roger, gostei desta sua análise comparativa entre o formalismo dos modismos tecnológicos para traçar estratégias e planos para as empresas ( adaptados para as igrejas) e a pureza,a simplicidade e a beleza das mensagens de Jesus para nos falar sobre o Reino de Deus. Parabéns! Augusto

Gracinha disse...

Muito bom mesmo!

Rubinho Osório disse...

A frase aceita e propalada é "para quem não sabe onde vai, nenhum vento lhe é favorável". O que é uma tremenda pena, porque o mais gostoso é ser levado pelo vento (o Espírito?) e curtir o momento.
Para isso, poucos estão preparados.