Páginas

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Honra a quem honra

Confesso que minha simpatia por ele, no início, ao ler suas colunas na Ultimato, não foi assim tão automática. Depois li o Artesãos de uma Nova História e comecei a entender melhor o pensamento desse nosso irmão, que tem estimulado e desafiado a alma evangélica brasileira.

Foi através de Gondim que cheguei a Brabo e foi através de Brabo que aprendi a respeitar mais Gondim. Quem afinal de contas me incentiva a ler quem, nesse jogo virtual amigo, é uma pergunta difícil de responder.

Sei que nosso amigo e colaborador Valdinei Gandra, do café teológico, teve o privilégio de em Joinville se encontrar e papear com Gondim e Paulo Brabo, por ocasião do Café Teológico.

De fato é de se respeitar que esse pastor, com todas as implicações do cargo e do ministério que exerce, tome uma atitude ousada em propor para o grupo social evangélico brasileiro uma nova visão cultural que chegue a desafiar os paradigmas vigentes. Os quais se mostram evidentemente falidos. Quem é que não tenha um mínimo de consciência cristã que também não se vê cansado com os exageros que se multiplicam por aí afora sob o nome de “evangélico”?

Dr. Russell Shedd acertou quando apontou Gondim como "o sucessor" de Caio Fábio e o “o grande nome do Evangelho no Brasil hoje” à frente do rebanho (independente de como isso seja interpretado). Ele tem sabido trilhar um caminho próprio e cristão. Sei que essa glória não é de forma alguma sua pretensão ou alvo. Nem existe um fórum para que esse "papado" seja estabelecido, como foi na época o caso da AEVB. Mas talvez em sua rede de relacionamentos tem havido um efeito multiplicador muito efetivo. Liderança é serviço e é isso que aquele irmão deixa transparecer.

Não sei, estou fora do Brasil há 10 anos, mas imagino que no mínimo em todos os seminários teológicos seu nome e pessoa seja uma referência. E em muitas igrejas também.

Deixando o contexto nacional e me voltando ao particular de minha existência, dou graças a Deus por ter achado nele a voz de quem aponta para o amor, para a paciência, para a verdade. De forma que isso vá além do corporativismo evangelical. E isso é uma grande ameaça para alguns ou até muitos, daí tantas críticas. De minha parte só tenho a agradecer!

Ano passado foi um ano especialmente difícil. Perdi minha mãe, que sofreu durante 2 ou 3 anos com demência. Estou há 3 anos desempregado, o que afeta toda minha vida, financeira, emocional, conjugal, espiritual, etc. Além disso passei há 7 anos mais ou menos por um processo traumático e complicado de desligamento da igreja que me havia enviado como missionário para Alemanha. Nessas horas as interrogações se multiplicam.

Encontrei consolo e respostas que me satisfizeram em seus escritos e vídeos. Que desbloquearam minha vida devocional e espiritual. Você me entende, não estou creditando tudo a Ricardo Gondim, mas sem dúvida ele desempenhou um papel fundamental.

Muito obrigado amigo Ricardo, quero mais uma vez, neste ano, te parabenizar pelo seu aniversário. Festeje com os seus chegados e tenha um ótimo dia, além de muiiiiiitos anos de VIDA!

Leia Também:

4 comentários:

celebraii disse...

IDEM!!!! Parabéns ao Pr. Ricardo, meu referencial cristão da modernidade!

Abços!

Will

bete disse...

Roger, embora eu ache o Ricardo muito bem posto em suas colocações, embora eu já tenha assistido a algumas de suas pregações e gostado, eu lamento dizer que ultimamente ele se defende tanto, mas tanto, preocupa-se tanto em explicar seus pontos de vista, mas tanto, que se tornou cansativo. Isso que estou dizendo não é fofoca, pois já passei um e.mail falando isso para o próprio. Não sei se ele leu.

Josias Arruda disse...

Ola amigo.

Sempre desconfiei mesmo. Só podia ser um rebelde desligado mesmo. Pois seus escritos quando não são idoltaras (a figuras humanas) são críticos a outros escritores da coluna.São tão ruins suas críticas que os escritores nem respondem a elas,(interessante).
Me descupe mais acho que ainda não está curado não. Seu texto é ofensivo e isto mostra o que realmente é a pessoa.
Mais mesmo assim ;; fazer o quê??

Roger disse...

Caro Josias,

também nunca escondi que sou um rebelde, basta ler meus primeiros textos sobre a Santa Rebeldia!

Sou também um desligado e não estou curado não. Você acertou mais uma vez. Me desliguei de uma vez por todas de todo tipo de abuso da fé e da usurpação da esperitualidade.

Talvez seja mesmo um idólatra, pois "adoro" certas pessoas. Isso é tão evidente assim?

Onde meu texto foi ofensivo?

Nem todos tem paciência e tempo para responder críticas, nem precisaria, afinal isso dá uma preguiça...