Páginas

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

As velhas coisas são passadas (ou respondendo Clóvis - 1)

Querendo dar sequência ao que Nani escreveu e ao mesmo tempo satisfazer as perguntas de Clóvis tentarei juntar as duas coisas em uma só.

a) Você crê que a predestinação é para a salvação?

Esta foi a primeira pergunta feita pelo Clóvis do Cinco Solas em meio a um bate papo que tivemos por lá.

Você crê que...?

Nani nos disse que

“Os ideais de liberdade individual [...] favoreceram a abertura constitucional a novos credos no Brasil. [...] Não só os intelectuais abraçaram o liberalismo, mas também parte do clero católico era a favor da modernidade.”

O que nos faz lembrar que estamos falando aqui nada mais nada menos sobre credos individuais.

De fato essa foi a tônica teológica de Schleiermacher, a que “se chama "Liberal" por causa de sua ênfase no direito do individuo de definir os termos de sua própria fé sem ser intimidado por nenhuma autoridade.”

Não sei se Schleiermacher advogou o direito do indivíduo de definir qualquer coisa. Sei porém que ele atrelou a fé aos sentimentos e à visão de mundo (Weltanschauung) e essas são coisas que estão em movimento, em constante mudanças, portanto difíceis de serem “definidas”. Graças a Deus!

As mudanças ocorrem. Evidentemente que o poder político na maior nação cristã e mais poderosa do planeta estava nas mãos daqueles que defendiam os valores conservadores e nada liberais, os chamados neoconservadores e os fundamentalistas religiosos. Ontem isso mudou. Uma página foi virada na história.

Basta ouvir ou ler Obama que você perceberá em seu discurso sua flexibilidade e seu respeito a essa liberdade individual. Suas respostas não são de forma alguma dogmáticas, não obstante a autoridade que agora carrega nos ombros.

Vinhos novos precisam de odres novos, pois esses são flexíveis e aguentam as mudanças que o novo vinho lhe imprime. Os "neocons" e fundamentalistas conservam o odre e perdem o vinho (novo). Enquanto que o vinho é o que precisa ser conservado!

Você já deve estar imaginando a onde quero chegar (os mais engraçadinhos dirão: já sei, a lugar nenhum! rsrs).

Não, não quero chegar de fato aos lugares manjados, batidos, às respostas fáceis e preestabelecidas. Mas tenho um alvo que é o seu próprio coração. Ali há algo novo e desconhecido a ser mostrado para o mundo e esse novo não é estático. Sua visão de mundo e seus sentimentos dirão muito a respeito de seu conceito de salvação, de destino e de tempo. Sua leitura individual e particular da Bíblia é tão importante e válida quanto foi sua escrita. Não falo de particular interpretação, mas de particular aplicação. Basta trazermos à mente questão de Israel, que é normalmente compreendido como o povo escolhido, e você entenderá então a complexidade dessas coisas.

Dou outro exemplo:

O Volney nos contagiou com um teste do perfil teológico. Após fazer este teste 2 vezes vi que após 2 dias meu perfil já tinha mudado! Então outras pessoas fizeram o teste, e quão diferentes são os resultados entre cada indivíduo! Qual perfil teológico é o correto? Essa pergunta é falsa! Mas podemos questionar, até que ponto pensamos de acordo com aquelas teologias já escritas?

A fórmula é simples, uma média aritmética, soma-se os percentuais e dividi-se por 11 (o número de teólogos). Tive o trabalho de agrupar os testes feitos por alguns de nossos colaboradores e amigos. Mas sobre esse resultado falaremos na próxima vez.

"Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe pão para comer; e se tiver sede, dá-lhe água para beber; porque assim lhe amontoarás brasas sobre a cabeça; e o SENHOR to retribuirá." Pv 25:21,22
"Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem." Rm 12:22

Leia também:

- O teólogo que salvo engano há em mim
- Mais MOLTMANN doq nunca!!!
- Oi! Eu sou...
- protestantismo e liberalismo no Brasil Colônia e na República

- Devoto, Jimmy Carter ataca fundamentalismo religioso

7 comentários:

Cadinho RoCo disse...

Não sou iniciado em teologia mas tenho cá minha fé.
Cadinho RoCo

Roger disse...

Obrigado, Cadinho, pela visita ao Teologia Livre.
Cuide bem de sua fé!
Nós também temos lá a nossa!
Abraços,
Roger

Rubinho Osório disse...

Sentimento/razão; indivíduo/sociedade; liberdade/autoridade; liberalismo/conservadorismo;
ciência/fé;
e por aí vai...
São tantos os extremos!!! Difícil evitar cair neles, mas este deve ser nosso esforço radical. Deus é radical, mas não é extremista!!!

Roger disse...

Amigo, Rubinho,

seu comentário é meio que provocativo!! hehe Como sempre nos desafia a pensar um pouco mais além.

Gostei do "Deus é radical, mas não é extremista!!!" E qual seria a diferença?

Acho que está nos sufixos -ismo, -ista, ali temos um extremo que anula o outro, ou seja o extremismo. No mais uma coisa será sempre compativel (e complementar)a outra, dia e noite, terra e mar, carencia e abundancia e etc.

Ou seja individuo sim, individualismo nao! Autoridade sim, autoritarismo nao, e assim por diante.

Abraços,

Roger

cincosolas disse...

Roger,

Antes de um comentário sobre seu texto em si, de cunho mais pessoal já que fui honrado no título, recomendo a leitura do texto A filosofia do pluralismo no Cinco Solas.

Em Cristo,

Clóvis

Roger disse...

Clóvis,

Passei por lá e li.
Muito interessasnte e complexo, preciso dizer. Mas vem de encontro com aquilo que venho escrevendo, sem dúvida.
Saudações,
Roger

cincosolas disse...

Roger,

A impressão que eu fiquei, ao ler mais uma vez o texto, é que "pensar livremente a teologia" é dar resposta alguma. É tergiversar quando uma pergunta pede um sim ou não. Quem sabe um talvez.

Mas vou ler o segundo post da série, para ver se a impressão se desfaz.

Em Cristo,

Clóvis